_______________________________________________________

segunda-feira, 3 de abril de 2017

A MAESTRIA













“Mestre é um termo empregado para designar certos seres humanos que concluíram sua evolução humana e atingiram a perfeição humana, não tendo mais nada a aprender no que diz respeito à nossa parte dentro do sistema solar, e que alcançaram o que os cristãos chamam de ‘Salvação’ e os hindus e budistas chamam de ‘Libertação’ [...] Em determinadas épocas da História da humanidade, durante as graves crises, nas transições de um a outro tipo de civilização, os membros da Hierarquia Oculta, os Mestres e até mesmo os Seres Elevados surgem no mundo; normalmente, embora encarnados, permanecem em pontos afastados e solitários, longe do tumulto da vida humana, a fim de conduzir o trabalho de auxílio que seria impossível realizar nos lugares de grande concentração humana.”        (Annie Besant)











“No mundo físico, se ocupam os Mestres em observar o curso dos acontecimentos, a corre­ção ou a neutralização, tanto o quanto o permite a lei, das torcidas correntes, o constante equilíbrio das forças que atuam pró ou contra a evolução, o fortalecimento do bem e a debi­litação do mal. Solidariamente com os Anjos das Nações, guiam as formas espirituais tal como os outros guiam as matérias.”  (Do livro “Os Mestres e a Senda”, C.W. Leadbeater, pág. 218, Ed. Pensamento, 2005)








"Somente quando tiverem derrotado os inimigos internos da luxúria, cobiça, ódio e orgulho, e assegurado um domínio incontestável sobre si mesmos, é que poderão ascender ao Trono e clamar para serem o Mestre. ‘Gu’ significa escuridão e ‘Ru’ significa luz. O Guru (mestre espiritual) dispersa a escuridão por intermédio da luz; ele concede a sabedoria, que erradica nossa ignorância. ‘Gu’ também significa ‘aquele que está além dos atributos’ e ‘Ru’ significa ‘aquele que transcendeu a Forma’. Não procure Gurus humanos, apesar de suas grandes reputações. Eles estão vinculados às qualidades que desenvolveram, e ainda necessitam da Forma para que possam conceber a Realidade. Sendo, eles mesmos, limitados, como podem lhe comunicar o ilimitado? Ore ao Princípio Transcendental, ou ao Deus dentro de você, para se revelar. Aceite isto como o Guru, e você será iluminado."    (Sathya Sai Baba)









“Quando um ser humano alcança uma maturidade sobre as suas experiências existenciais e consegue posicioná-las em um diagnóstico preciso sobre os seus propósitos, este ser está apto a tornar-se um Mes­tre de si. Daí, ele poderá nitidamente perceber os vários níveis e estra­tos em que a sua vida flui. Numa abordagem transcendental, um ser humano terreno está destinado em sua senda evolutiva a tornar-se este Mestre de si, even­to que traz como manifestação aspectos que devem ser considerados. Iniciaremos do próprio reconhecimento individual da consci­ência humana sobre a necessidade das maestrias. Senão vejamos que, desde o nascimento, os seres humanos têm as suas existências entre­gues nas mãos de vários mestres, ou projetos de mestres, que devem orientar as suas experiências. Atualmente, neste conturbado mundo de especialistas, há mestres para quase tudo. Aprendemos a andar, a falar, a se alimentar, a utilizar ferramentas, a usar os corpos inferiores, a conhecer as ciências, etc. Aprendemos, aprendemos, aprendemos... E parece que tudo isto está disposto a que passemos adiante, nos tor­nando também algum tipo de mestre. Acompanhando parte dos ensinamentos budistas, podemos dis­por sucintamente a maestria sob três focos de observação: maestria interna, maestria externa e maestria absoluta. A maestria interna é resultante do registro das experiências que a consciência humana resguarda, em seu acervo individual, durante toda a sua trajetó­ria evolutiva por este planeta e pelo Cosmos. A maestria externa é aquela captada e reconhecida pela consciência humana, a partir dos eventos externos que se apresentam em sua vida. Esta maestria externa pode se apresentar através de um outro ser humano (guru, sábio, professor, etc.), de um livro, um filme ou um evento casual qual­quer que possa despertar um aprendizado evolutivo. Já a maestria absoluta permanece sempre oculta e nunca se revela ao ser humano, como que instigando a sua consciência a sempre buscá-la, rumo ao mundo dos céus. Todas as outras maestrias, internas e externas, são frutos da maestria absoluta que está por trás da regência integral de todas as causas e consequências. Há quem defina esta maestria absoluta como Deus.  (Do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, pág 80, Horácio Netho, Ed. Alfabeto, 2011)








“Outra qualidade muitíssimo essencial para o aspirante é a mente aberta e liberta de qualquer tipo de fanatismo. Certa vez, a Sra. Blavatsky nos disse que o seu Mestre havia feito o reparo de que as crenças errôneas constituíam às vezes um grande obstáculo. Como um dos exemplos, ele disse que havia na Índia cem mil sannyasis que levavam a vida mais pura e se achavam preparados para o discipulato, exceto que o seu arraigado pensa­mento errôneo sobre certos assuntos impossibilitava mesmo aos Mestres penetrarem em suas auras. Tais pensamentos, disse ele, atraíam ao seu redor elementais indesejáveis, das mais desagradáveis influências, que reagiam sobre eles e intensificavam suas concepções errôneas, de modo que enquanto não desenvolvessem suficientes razão e intuição para se livrarem dos mesmos, eles permaneceriam praticamente impenetráveis a sugestões.” (Do livro “Os Mestres e a Senda”, C.W. Leadbeater, pág. 71, Ed. Pensamento, 2005)





MESTRES ASCENSIONADOS, 
RAIOS e HELENA BLAVATSKY
(PATRÍCIA CÂNDIDO)











“Quando já temos uma capacidade sutil de reconhecer uma encarnação divina de um grande sábio dentro da experiência humana, na Terra, e temos a oportunidade de comungar da sua luz em um encontro físico com este ser, devemos nos colocar em máxima atenção nesta ocasião. Em geral, estes seres podem saber mais de nossas motivações internas que nós mesmos, pois conhecem a vida por dentro. Assim, tendem a nos deixar mais lúcidos sobre as nossas limitações e ignorâncias sobre o amor. Com uma postura reverente e atenta, nestes encontros físicos, também podemos ter a nossa própria luz mais elevada fortalecida e ampliada pela própria natureza inerente destes seres. Uma dádiva.” (Do livro “COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais”, pág 118, Horácio Netho, Ed. Alfabeto, 2012)








“Com a atual revelação das realidades da Confederação Intergaláctica sendo divulgadas abertamente por todo o planeta Terra, principalmente nas últimas duas décadas, alguns novos termos estão surgindo e sendo incorporados nas literaturas transcendentais. Alguns seres humanos que, antes, eram reconhecidos como ‘Mestres’, agora, estão sendo reconhecidos como ‘Comandantes Estelares’. Este termo simbólico indica que há, nestes seres, uma compaixão misteriosa com as realidades das estrelas.”     (Horácio Netho)  








COMANDANTES - Consciências e Hierarquias que dirigem, do ponto de vista espiri­tual, áreas de trabalho, naves ou obras do Plano Evolutivo. São seres autorrealizados, em geral provindo de mundos distantes. Dedicam-se ao cumprimento do Plano Evolutivo, e formaram vínculos com as leis superiores e com energias elevadas, inconcebíveis para a mente do homem terrestre de hoje. A irradiação desses seres tem alcance equivalente ou maior que a dos Mestres Ascensionados noticiados pela literatura esotérica. Alguns Co­mandantes não fazem parte nem da Hierarquia Planetária nem da Solar, pois pertencem a outros sistemas estelares. Todavia, qualquer deles é sempre fonte de impulsos para a elevação da vida e para a realização da meta dos Universos.”  (Do livro “Glossário Esotérico”, autor: Trigueirinho, Ed. Pensamento, 1994, pág 75)







“Um Avatar tem compromissos com a Hierarquia Espiritual Planetária, com grupos da Federação Intergaláctica e com a própria Confederação. Apoio espiritual esses seres recebem para desenvolver sua proposta, mas a realidade terrestre é muito forte e pode gerar alterações extremas na vida e na proposta de missão dessas almas.”  (Do livro “Filhos das Estrelas”,  Rod. Romo,  Ed. Shantar, 2008, p. 90)










“Hoje, existem sim energias, consciências, seres provenientes de sistemas estelares bem distantes que conhecem os caminhos da Terra. Porque não basta que sejam seres evoluídos e positivos. Esses seres que representam, hoje, os ‘Filhos das Estrelas’ são aqueles seres que conhecem o destino da Terra. É preciso conhecer o destino do planeta, para poder estar aqui nestas condições de nos dar o conhecimento... eles todos vêm em nome da paz [...] O que se chama ‘Salvador do Mundo’ tem no mínimo uma consciência planetária e, assim mesmo, precisa mais. Então, existem ‘Salvadores do Mundo’ que têm consciência solar, outros que têm consciência galáctica. Tem que ter uma consciência maior que a do mundo para ser um Salvador do Mundo.”    (Trigueirinho)












“Os mestres e discípulos tibetanos estudaram minuciosamente os efeitos sobre a consciência das posturas do corpo, dos gestos, das expressões do rosto e também da influência dos objetos e do ambiente. O conhecimento desses mecanismos faz parte da sua ciência secreta e aplicam-no no treinamento dos seus discípulos... Esta ciência também era conhecida por grandes gurus católicos.” (Do livro “Iniciações Tibetanas”, autor: Alexandra David Neel, Ed. Pensamento)











“Os antigos Mestres da vida eram profundamente identificados com as potências vivas do Cosmos. Em sua profunda interioridade jaziam a grandeza e o poder da sua dinâmica atividade. Quem compreende, hoje em dia, esses homens? O homem correto age por uma lei interna e não por mandamentos externos.”  (Poemas 15 e 38 do “Tao Te Ching”, autor: Lao Tsé)












“Muitos seres humanos ainda não possuem uma capacidade intelectual para assimilar os ensinamentos dos grandes mestres. São incapazes sequer de compreender os ensinamentos de um único mestre, quanto mais de reunir e sintetizar os ensinamentos gerais daqueles grandes mestres que lhes são disponíveis. Mais ainda, não conseguem transferir da mente intelectiva para o plano abstrato a verdadeira essência a que se destinam os ensinamentos espirituais. É que seus tempos ainda estão por vir [...] Um grande mestre resguarda parte dos seus ensinamentos ocultamente e em silêncio. Reserva-os somente para alguns escolhidos e em momentos adequados. Sabe que o caminho requer busca, perseverança, investigação, devoção, mérito e iniciação por parte do peregrino espiritual. O desvelar de um mistério ganha mais força, importância e poder quando exige algum esforço por parte do buscador. De outra forma, não receberia a devida atenção por uma consciência acomodada, preguiçosa e que recebe tudo fortuitamente em suas mãos [...] Presentes na humanidade, há grandes instrutores lidando com temas de caráter transcendental, se expressando dentro das sociedades, sejam através da escrita ou da oratória. Alguns são bastante versáteis e hábeis no domínio das palavras. Grandes oradores conseguem atrair a atenção humana e hipnotizar platéias em discursos inflamados. Da mesma forma, grandes escritores desenvolveram o dom do convencimento através da organização de suas palavras. Muitos destes seres agem em nome de instituições religiosas, filosóficas, educacionais, filantrópicas, beneficientes, etc. Alguns geram idolatrias, enquanto outros extraem uma devoção exagerada às suas imagens diante dos seus públicos. O equilíbrio, a sensatez e a simplicidade são marcas incontestáveis que se expressam espontaneamente em um instrutor realmente elevado. O ser humano necessita desenvolver um discernimento refinado para não ficar retido nas miragens ou nas ilusões alimentadas por muitos destes instrutores. Através da intuição e de uma investigação apurada, um ser humano pode perceber claramente o alcance da mensagem de um instrutor e, a partir daí, comportar-se de acordo com a sua própria consciência [...] Alguns seres humanos idolatram outros como Gautama, Jesus, Yogananda, Krishna, Babaji ou Sai Baba. Param ante as missões divinas destes enviados. Estagnam as suas próprias divindades pessoais atentando-se em demasia aos exemplos externos destes Avatares. Todos os mestres divinos instruíram sobre a chama sagrada individual, Deuses potenciais em forma humana e que o caminho se mostra dentro de cada ser [...] O atual Dalai Lama, Gyatso Tenzin, prêmio Nobel da Paz é considerado pelos budistas como sendo a décima quarta encarnação do príncipe Cherezing, um Buda de compaixão. Sua consciência expressa o nível de um Bodhisattva, ser espiritualmente elevado que reencarna conscientemente por opção missionária pessoal, retornando de além Samsara, para auxiliar a evolução da raça humana. Tal ser traz, por lei, como manifestação inerente para si o destemor, a abundância material e a capacidade de dividir os seus conhecimentos e a sua sabedoria. Ele próprio já avisou que só terá mais três encarnações a fim de terminar a sua missão terrena, assim como Sathya Sai Baba profetizou que só terá mais uma. Chico Xavier, por sua vez, profetizou uma próxima encarnação sua, quando deverá transcender o celibato e estruturar o seu próprio núcleo familiar. Paramahansa Yogananda também profetizou uma futura encarnação sua ainda neste século. Alcançar este nível de percepção, consciência e visão integrada sobre projeções encarnacionais para a vida humana, na Terra, é uma dádiva imensurável e reconfortante só destinada aos grandes seres que transcenderam a vida mundana através dos seus votos de amor, desapego e compaixão para com a Fonte.”  (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)










“Permanecendo na vibração de vosso Santo Ser Crístico, entrai na sintonia do Mestre escolhido e sob sua luz, concentrai-vos na absorção da preciosa instrução." (Mestre Kuthumi













“Não acredite em algo simplesmente porque ouviu. Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito. Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos. Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade. Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração. Duvidem de tudo. Mas depois de muita análise e observação, se você vê que algo concorda com a razão, e que conduz ao bem e beneficio de todos, aceite-o e viva-o. Encontre a sua própria luz.” (Siddharta Gautama








“Qual a diferença entre mestre e instrutor? O que é chamado de mestre é uma consciência que já transcendeu os níveis materiais, então o mestre não está mais envolvido com os níveis materiais internamente. Quer dizer que um mestre pode estar aqui, ele pode estar vivendo aqui nos mundos materiais, mas não está envolvido com isto, o mestre está numa consciência transcendente a tudo isto. O instrutor não é isto, é um transmissor de leis. Um mestre pode estar aí só conscientizando e irradiando, um instrutor está transmitindo leis. Só que o instrutor transmite as leis que correspondem ao seu próprio grau evolutivo, um verdadeiro instrutor não fica falando de coisas nas quais ele ainda não está, fala das leis que lhes correspondem, fala das coisas que a consciência dele já absorveu, então ele transmite estas leis e é diferente de um mestre. Existem mestres de vários níveis, mestres de consciência planetária, mestres de consciência solar e mestres de consciência cósmica, como existem também instrutores de vários níveis dependendo dos níveis de consciências que eles já atingiram.”  (Trigueirinho)         









"O ponto de vista dos Mestres difere tão radicalmente do nosso, que de pronto não conseguimos compreendê-lo. Eles têm os seus afetos particulares, tanto quanto nós, e seguramente amam uns homens mais que a outros; porém jamais permitirão que tais sentimentos influam o mínimo em sua obra. Ocupar-se-ão muitíssimo de um homem se nele descobrirem sementes de uma futura grandeza e estiverem certos de que não será perdido tempo nem o trabalho que lhe dedicarem. No ânimo dos excelsos Seres não há o menor resquício de favoritismo. Única e exclusivamente consideram a obra que tem de ser feita, a obra da evolução e a utilidade de um homem para ela; se nos habilitarmos para tomar parte na obra da evolução, muito rapidamente progrediremos.” (Do livro “Os Mestres e a Senda”, C. W. Leadbeater, pág. 52, Ed. Pensamento, 2005)



“O santo é um sinal que nos aponta para Deus e um sinal é algo visível que nos aponta para o invisível."  (Padre Hamilton Nascimento) 




Instrutores
A Senda dos Santos
A Prática do Ensinamento
(http://www.irdin.org.br/acervo/detalhes/5809)


Nenhum comentário:

Postar um comentário