_______________________________________________________

domingo, 5 de março de 2017

AVATARES - Yogananda, Babaji, Sathya Sai Baba e Padre Pio




“Nos Avatares, Deus manifesta-se plenamente; 
nos santos, apenas em parte, como na flor o mel.”







AVATAR – O núcleo central da consciência do homem, regente da sua trajetória evolutiva, é denominado regente monádico, Oitava Mônada ou Regente-Avatar. A ele estão vinculados doze prolongamentos: sete mônadas, que se expressam no plano físico cósmico, e cinco Princípios, que se coligam com planos imateriais. O despertar cósmico de um indivíduo ocorre quando a mônada reconhece esse seu núcleo central, ‘o verdadeiro homem cósmico’, que ao plenificar-se ascende ao estado de Avatar [...] Liberto da manifestação compulsória da matéria, o Avatar pode atuar em mundos materiais a serviço do Governo Celeste Central, exprimindo com perfeição um dos aspectos divinos. O nível de existência do Avatar é superior ao monádico e fundamenta-se na lei da síntese. No Avatar realizou-se a síntese das polaridades masculina e feminina [...] A consciência do Avatar representa a unidade; é o portal da onipresença e da onisciência e o meio de contato com as Fraternidades Cósmicas. Um Avatar – participante da existência imaterial – manifesta-se no mundo concreto, quando necessário, para servir. O despertar de um Avatar não é fato isolado, individual; em todo o cosmos, mônadas coligam-se, compondo redes internas que evoluem sincronicamente rumo a essa meta [...] Há um vínculo especial entre a Fraternidade de Sírius e a senda da formação dos Avatares.  (Do livro “Glossário Esotérico”, autor: Trigueirinho,Ed. Pensamento, 1994, págs 39 e 170)


                                      
                                         


“Um Avatar tem compromissos com a Hierarquia Espiritual Planetária, com grupos da Fe­deração Intergaláctica e com a própria Confederação. Apoio espiritual esses seres recebem para desenvolver sua proposta, mas a realidade terrestre é muito forte e pode gerar alterações extremas na vida e na proposta de missão dessas almas.” (Do livro “Filhos das Estrelas”, autor: Rodrigo Romo, Ed. Shantar, 2008, pág. 90)





“Cada lâmpada elétrica tem uma voltagem independente e a voltagem permanece por um período limitado de tempo. Avatares são como essas lâmpadas elétricas. Por um longo tempo, Deus tem encarnado como vários Avatares. Você deve se apegar, NÃO à forma física de um Avatar em particular, mas à DIVINDADE, como o Supremo Parabrahma, além da forma e atributos, que se manifestou muitas vezes em muitas eras [...] Quando Deus desce, assumindo uma forma especial, em ocasiões especiais, para um propósito específico, Ele é conhecido como Avatar. Cada Avatar nasce como consequência da Vontade Divina e com o propósito de restaurar o Dharma e a vida moral. Embora os homens possam confundir um Avatar com um mero humano, isso não afeta Sua natureza; um Avatar vem para uma tarefa e está sempre compelido a realizá-la [...] O Avatar veio somente para salvar a humanidade, em resposta aos anseios das pessoas nobres. Ele conhece o passado, o presente e o futuro de todos. Ele veio para conduzir e libertar. Ele vem quando um grande número de homens bons está aflito, com medo pela sobrevivência da virtude. O Senhor encarna para alimentar seus espíritos enfraquecidos e reviver a fé e a coragem em seus corações [...] É para iluminar o caminho do progresso espiritual do homem que o Avatar (Encarnação Divina) veio. A inquietação em que o homem está imerso tem que ser removida. É isto que se quer dizer por ‘proteção do virtuoso’, como declarado na Bhagavad Gita: salvar os bons indivíduos dos tentáculos da inquietação ou da mágoa, causadas pelo desconhecimento da insignificância das coisas mundanas [...] Nenhuma grande alma ou mesmo um Avatar (Encarnação Divina) pode sempre escapar de críticas e julgamentos. Nesses casos, eles não se dobram, mas são fiéis à verdade. Com essa percepção, mergulhe em livros sagrados e na companhia dos devotos do Senhor. Abstenha-se de discutir sua crença ou convicção com pessoas ignorantes. Quando você for rico da experiência da realização e da devoção, então você pode misturar-se livremente e até mesmo se esforçar para conduzir outros para a verdade que você tem visto e experimentado.”  (Sathya Sai Baba)




“...precisamos saber que este ser não necessitaria se revelar por si só, pois a sua vida manifestada nas dimensões materiais, da Terra, já vem abastecida de eventos que o anunciam através de sinais. Sincronicidades, eventos místicos, experi­ências supra-humanas, números, cores e curas são manifestações usu­ais presentes e projetadas pelas auras dos Avatares. Uma vida de magia acompanha um Avatar. Todo Avatar tem consciência que o é, e mais ainda, sabe que não é aquilo que a humanidade acredita que ele seja. Mesmo um ser autorrea­lizado não consegue abarcar a compreensão do que venha a ser um Avatar. Este sabe da sua impessoalidade e tende a não desviar a atenção da vida sobre si, mas para os ensinamentos cósmicos evolutivos emiti­dos pela sua inerente sabedoria. Ocasionalmente, pode usar o seu 'EU' simbolicamente. Impulsiona e estimula dentro da consciência coletiva da humanidade a contemplação pela vida e o desenvolvimento dos arquétipos mais elevados rumo à perfeição da Fonte [...] A integração das suas sete mônadas cósmicas na consciência tor­na um Avatar um ser misterioso por si só. Ele representa o verdadeiro indivíduo na sua expressão humana para a Terra. O indivíduo é aquele que não se divide mais, o indivisível dentro de uma expressão humana. As sete mônadas de um Avatar ou os seus sete espíritos, como consciên­cias cósmicas em evolução, podem estar presentes em várias realidades do Cosmos (reinos, planetas, estrelas, galáxias, etc.). Desta forma, quando um ser dentro da realidade humana terrena consegue atrair todas as suas extensões das experiências projetadas pela sua consciência cós­mica de Avatar, este ser encontra-se no mais alto nível da sua indivisi­bilidade para este planeta. De outra forma, qualquer ser humano que esteja vivenciando uma experiência humana terrena apenas monádica, de alma ou de ego, representará ainda um fragmento ou parcela da integralidade da consciência do verdadeiro indivíduo. Mesmo assim, um Avatar possui uma consciência de 'EU' humana ainda que fugaz sustentada pelo seu contato interno com a energia impessoal do Logus da Terra. Em verdade, a maior parte da consciência de um Avatar não permanece constantemente presente nos seus níveis materiais para a Terra, pois a natureza dos corpos inferiores projetados para esta raça humana não é favorável à sustentação da vibração mais elevada de cer­tos picos de energia (Luz) alcançados por alguns destes seres, fazendo com que eles necessitem regular suas auras, oscilando os contatos com suas consciências e a própria vida.”   (Do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, págs 100, 101 e 106, Horácio Netho, Ed. Alfabeto, 2011)







“Em suas lições do curso por correspondência, ele explica a diferença entre o nas­cimento de uma alma inteiramente liberta e o de um mestre ainda com pouco carma para ser trabalhado. O último, após alcançar a libertação por completo, torna-se um 'mestre elevado'. Se, como raramente acontece, ele retornar à Ter­ra, será como uma manifestação completa de Deus – um Avatar –, com poder divino para distribuir bênçãos em geral para toda a humanidade. Aqueles que ainda têm algum carma a ser trabalhado retornam fundamentalmente para ajudar seus discípulos. Esses santos, chamados de ‘jivan muktas’ (libertos en­quanto vivos), são capazes de elevar alguns, mas não conseguem levar muitos discípulos até Deus. Aqueles, por outro lado, que retornam sem nenhum carma, tendo se tornado ‘param muktas’ (inteiramente libertos) em uma vida pas­sada, chegam como Avatares. Quem quer que seja que chega até eles pedindo ajuda pode ser salvo, embora a salvação não seja necessariamente imediata. Uma vez, eu perguntei ao mestre: - O senhor é um Avatar? - Seria necessário um para levar  adiante uma missão dessas - respondeu baixinho.(Do livro “Diálogos com Yogananda”, pág 93, Swami Kriyananda, Ed. Nova Era, 2007)







YOGANANDA









“- ...há vários planetas povoados no Universo. Quando uma alma retorna do mundo astral para o plano material, existem vários planetas disponíveis para ela. Onde ela irá reencarnar depende do seu nível de desenvolvimento espiritual. Se as almas sempre retornassem para cá, elas iriam descobrir como evoluir muito rapidamente!”  (Extraído do livro “Diálogos com Yogananda”, págs 53 e 54, Autor: Swami Kriyananda, Ed. Nova Era, 2007 )








AWAKE - BIOGRAFIA de YOGANANDA











“Paramahansa Yogananda foi o primeiro grande mestre da Índia a viver no Ocidente por um longo  período (mais de trinta anos)Ele foi o último de uma sucessão de três grandes mestres indianos (Mahavatar Babaji,  Lahiri Mahasaya  e Swami Sri Yukteswar), tendo a missão  de trazer para o  ocidente a  redentora mensagem  e técnica de Kriya Yoga através da Self-Realization Fellowship.” (Em: http://www.yogananda.com.br/index.asp)









“Conforme contado por seu irmão, Sananda Lal Ghosh, Paramahansa Yogananda nasceu com o nome Mukunda Lal Ghosh no dia 5 de Janeiro de 1893, na cidade de Gorakhpur, Índia, numa devota e abastada família Bengali. Desde os primeiros anos, sua consciência e experiências espirituais já eram reconhecidas por todos ao seu redor como muito além do comum, passando por lembranças de suas vidas passadas, brincadeiras em que voluntariamente suspendia a vida do seu corpo deixando todos alarmados, a tentativas de fugas ao Himalaya, interrompidas por seus familiares. A morte da mãe, a quem amava intensamente, foi comunicada a ele por uma aparição mística e intensificou sua busca pessoal por Deus. Ansiando encontrar um mestre iluminado para guiá-lo em sua busca espiritual, durante a juventude Yogananda procurou a presença de muitos sábios e santos da Índia que sempre lhe diziam para aguardar o momento certo, quando seu guru, apontado por Deus, surgiria. Em 1910, com a idade de 17 anos, finalmente sua busca pelo mestre cessou diante do encontro com Swami Sri Yukteswar. Segundo suas próprias narrativas, foi no eremitério de Sri Yukteswar que passou a melhor parte dos 10 anos seguintes, recebendo disciplina rígida, porém amorosa, enquanto adquiria sobejas experiências da realidade do espírito. Após formar-se na Universidade de Calcutá em 1915, ele fez os votos formais e entrou na Ordem monástica dos Swamis, ocasião em que recebeu o nome Yogananda (que significa bem-aventurança, ananda, através da união divina, yoga). Além do que é relatado na Autobiografia, de acordo com diversos livros de amigos e familiares, várias ocorrências invulgares desde o nascimento de Yogananda, já anunciavam que a ele era destinada uma missão mundial. A sua trajetória estava intimamente entrelaçada com a de três seres, cuja sabedoria e singularidade, Yogananda viria exaltar ao mundo: Mahavatar Babaji, intitulado o Cristo Yogue da Índia Moderna e guru de Lahiri Mahasaya. Lahiri, guru de seus pais e de Swami Sri Yukteswar. E seu próprio mestre, Sri Yukteswar, que o preparou a pedido de Babaji para difundir a Kriya Yoga no Ocidente [...] Sri Yukteswar conta sobre seu primeiro encontro com Babaji, ocasião em que este lhe revelou a missão de Yogananda: ‘Percebi que você está tão interessado no Ocidente quanto no Oriente. Senti as angústias de seu coração, amplo bastante para pulsar por todos os homens. Foi por isso que o chamei aqui. Oriente e Ocidente devem marchar por uma mesma estrada de atividade e espiritualidade combinadas. A Índia tem muito a aprender do Ocidente quanto ao desenvolvimento material; em troca, a Índia pode ensinar os métodos universais que possibilitarão ao Ocidente basear suas crenças religiosas nos alicerces inabaláveis da ciência da ioga. Você, Swamiji, tem um papel a desempenhar no intercâmbio harmonioso que se efetuará entre o Oriente e o Ocidente. Daqui a alguns anos, vou lhe enviar um discípulo que você treinará para a disseminação da ioga no Ocidente. As vibrações de muitas almas, sedentas de espiritualidade, chegam de lá até mim, como um dilúvio. Percebo santos potenciais na América e na Europa, esperando ser despertados.’ Neste ponto de sua história, Sri Yukteswar mergulhou seu olhar inteiramente no meu. "Meu filho" - disse ele, sorrindo sob o resplandecente luar - "é você o discípulo que, há anos atrás, Babaji prometeu me enviar." [...] Conforme relatado por vários de seus discípulos, em diversas ocasiões pouco antes da sua morte, Yogananda deu uma série de indicações que havia chegado a hora de deixar o mundo, mas nenhum deles compreendeu na época. E nos dias que antecederam sua partida, realizou uma detalhada agenda de visitas, cartas, contatos e instruções pessoais, numa clara alusão de despedida como se verificou depois. Em 7 de março de 1952, Yogananda participou de um jantar homenageando a visita do embaixador indiano aos E.U.A, Binay Ranjan, e sua esposa no Biltmore Hotel, em Los Angeles. Duzentos e quarenta convidados estavam presentes, incluindo-se 35 estudantes da SRF, vindos de Los Angeles e cidades vizinhas. Após a conclusão do banquete, Yogananda falou a respeito da Self-Realization Fellowship e sua influência sobre a paz e a boa vontade entre as nações, sobre as contribuições da Índia e da América para a solidariedade mundial e o progresso humano, expressando sua esperança de um ‘Mundo Unido, um lar espiritual de Deus’ [...] Na revista Time Magazine, em 4 de Agosto de 1952, foi publicado o depoimento do sr. Harry T. Rewe, diretor do Cemitério de Forest Lawn de Los Angeles, que descreveu em uma carta enviada à SRF, sua experiência inusitada com a incorruptibilidade do corpo de Yogananda, conforme trecho: “A ausência de quaisquer sinais visíveis de decomposição no cadáver de Paramhansa Yogananda constitui o mais extraordinário caso de nossa experiência… Nenhuma desintegração física era visível no corpo, mesmo vinte dias após a morte… Nenhum indício de bolor revelava-se em sua pele e nenhum dessecamento (secagem) ocorreu nos tecidos orgânicos. Tal estado de preservação perfeita de um corpo, até onde vão nossos conhecimentos dos anais mortuários, é algo sem paralelo… Nenhum odor de decomposição emanou de seu corpo em qualquer tempo… A aparência física de Yogananda em 27 de março, pouco antes de colocar-se a tampa de bronze no ataúde, era a mesma de 7 de março. Ele parecia, em 27 de março, tão cheio de frescor e intocado pela corrupção, como na noite de sua morte." (Em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Paramahansa_Yogananda)









BABAJI 







“As pessoas têm que começar a compreender a diferença entre fantástico e divino”    (Babaji)
                                                                                                








“O estado espiritual de Babaji está além da compreensão humana. A raquítica visão do homem não pode penetrar através de sua estrela transcendental. Procura-se em vão imaginar o alcance de um Avatar. É inconcebível. Babaji vive sempre em comunhão com Cristo; juntos enviam vibrações redentoras à humanidade, inspirando as nações a renunciarem às guerras, aos ódios de raça, ao sectarismo religioso e ao materialismo, cujos males atuam como bumerangues [...] A falta de referências históricas a Babaji não nos deve surpreender. O grande guru jamais apareceu ostensivamente em qualquer século; o equívoco brilho da publicidade não tem lugar em seus planos milenares. Semelhante ao Criador, único mas silencioso Poder, Babaji opera em humilde anonimato. Grandes profetas como Cristo e Krishna vêm ao mundo com um objetivo específico e espetacular; e partem, assim que o realizam. Outros avatares, como Babaji, incumbem-se de obras relacionadas com o lento progresso evolutivo do homem através dos séculos, em vez de se ligarem a algum fato histórico excepcional. Tais mestres sempre se ocultam ao olhar grosseiro do público e têm o poder de se tornar invisíveis à vontade. Por estas razões, e porque geralmente instruem seus discípulos para que mantenham silêncio a respeito de si, algumas figuras espirituais do mais alto porte permanecem desconhecidas para o mundo. Jamais se descobriram quaisquer dados delimitadores da família e do lugar de nascimento de Babaji - tão caros ao coração do cronista histórico [...] O imperecível guru não mostra sinais de idade em seu corpo; parece um jovem de vinte e cinco anos, não mais. De epiderme clara, constituição e estatura medianas, o belo e vigoroso corpo de Babaji irradia um brilho perceptível. Seus olhos são pretos, serenos e ternos; seu longo e lustroso cabelo é cor de cobre [...] Quem quer que alcance a consciência e a experiência de filho de Deus, como Babaji, pode atingir qualquer objetivo com os infinitos poderes ocultos dentro de si. Uma pedra contém secretas e estupendas energias atômicas; assim também o mais ínfimo dos mortais é uma central elétrica de divindade [...] O primeiro encontro relatado com Mahavatar Babaji foi em 1861, quando Lahiri Mahasaya aos 33 anos de idade, foi inesperadamente transferido para Ranikhet, por conta do seu cargo como contador do governo britânico. Um dia, enquanto caminhava nas colinas acima de Ranikhet, ouviu uma voz chamando seu nome. Seguiu a voz até o monte Drongiri e próximo a uma fileira de cavernas, encontrou-se com um 'jovem sorridente e divinamente radiante.' Surpreso pelo jovem saber seu nome e a notável semelhança física entre os dois, ficou ainda mais aturdido ao constatar que aquele asceta da floresta dirigia-se a ele não somente em hindi, como em inglês, ao parafrasear as palavras de Cristo: "o escritório foi trazido para você e não você para o escritório". Com um toque na testa de Lahiri, Mahavatar Babaji despertou a memória de seu antigo discípulo de outras vidas, e, em seguida, o iniciou em Kriya Yoga, em meio a um cenário repleto de misteriosas materializações. Lahiri Mahasaya pediu para permanecer entre o pequeno grupo de Mahavatar Babaji, mas o guru respondeu que Lahiri fôra escolhido como exemplo de chefe de família e símbolo de iogue, para mostrar às pessoas a possibilidade de autorrealização entre as numerosas atividades do mundo. E encarregou-o de ensinar Kriya a todos que buscassem a Deus com sinceridade. "Os gritos de muitos homens e mulheres desnorteados neste mundo sensibilizaram os ouvidos das Grandes Almas. Você foi o escolhido para brindar consolo espiritual através de Kriya Yoga a numerosas criaturas que buscam Deus sinceramente." O Mahavatar estabeleceu algumas recomendações e métodos de preparo para a iniciação, enfatizando que no futuro, Kriya Yoga só poderia ser ensinada por instrutores devidamente autorizados a partir da linhagem de descendência espiritual de Lahiri.”   (Em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Mahavatar_Babaji)










                                                                                            
“Mahavatar BABAJI é conhecido no ocidente, especialmente, através de Yogananda... Ele dizia que ele não era nada e que ele não era ninguém, e que aquele corpo em que ele estava não significava nada. Que ele era apenas um espelho no qual cada um se refletia. Ele afirmava que ele era como o fogo, que a pessoa não deveria ficar muito longe porque senão não sentiria o seu calor. Mas que era perigoso porque não podia se aproxi­mar demais, porque senão seria queimado. Mas que cada um deveria aprender a distância certa. Na prática, ninguém conhecia o seu nome, ninguém conhecia a sua origem. Às vezes, ele se referia a si próprio como SHIVA [...] A aparição de Babaji foi muito significativa. Ela foi significativa, principalmente, porque as escrituras védicas compiladas há cinco ou seis mil anos atrás previam o aparecimento do Babaji, exatamente neste local e nesta época. E que nesta época, ele iria fazer duas aparições seqüenciais, porque era uma época muito perigosa da Kali Yuga, um dos períodos mais difíceis da Kali Yuga. E que ele faria essa aparição para benefício da humanidade, que ele ficaria junto com a humanidade em torno de treze anos (1970 – 1983) [...] Nós estamos esperando o seu reaparecimento. Desta vez, vai ser para muito poucos. Porque desta vez, ele falou que vai vir como uma criança, inclusive ele indicou alguns dos seres que estavam na forma humana, entre 1980 e 1990, que ele disse que entrariam junto com ele para ajudá-lo [...] Na outra vez que ele veio, ele desmaterializou o corpo em 1924. Ele desmaterializou o corpo em grande estilo. Ele estava com um Marajá, onde ele estava hospedado e uma série de discípulos dele, e ele chegou no rio Godavari e falou: ‘- Agora, vocês ficam aqui que eu vou continuar sozinho. Só que ele atravessou o rio andando, no meio do rio ele sentou em padmasamadhi, sentou em cima da água em posição de lótus e começou a meditar. Os discípulos olhando aquilo e, de repente, ele se transformou em luz e a luz foi embora.” (Rajindra)



        



SATHYA SAI BABA















“Certo dia, Sri Aurobindo, o grande mestre espiritual da Índia, estava meditando. Ao terminar a meditação, ele disse aos seus discípulos que Krishna havia descido ao mundo físico no dia anterior, 23 de Novembro de 1926. Esse é o dia do nascimento de Sai Baba [...] No início de sua vida adulta, muitas vezes Sai Baba deixava o corpo quando um devoto, longe de onde ele estava, lhe pedia ajuda. Quando isso acontecia, seus discípulos mais próximos cuidavam do seu corpo físico. Certa vez, ele precisou deixar o corpo no início da noite, e, então, os discípulos o deitaram na cama. De repente o corpo levitou e começou a flutuar ao redor do quarto. Cinzas sagradas emanavam dos seus pés em abundância. Os devotos ouviram-no murmurar: "Maharshi está aos meus pés de lótus". Pouco depois, ele desceu e se acomodou na cama. No dia seguinte, o ashram recebeu a notícia de que Ramana Maharshi, o santo da Índia que havia alcançado a realização em Deus, morrera às 21h da noite anterior, exatamente no momento em que Sai Baba levitara [...] Sai Baba diz que podemos conhecer um Avatar por meio de dezesseis sinais: controle das cinco funções do corpo, controle dos cinco sentidos do corpo, controle dos cinco elementos da natureza. Esses quinze primeiros sinais são obtidos através de práticas e de disciplinas espirituais. A décima sexta qualidade só é alcançada pela descida de uma Encarnação Divina, de um Avatar que alcançou a realização em Deus desde o nascimento - onisciência, onipresença e onipotência absolutas [...] Quando alguém perguntou a Sai Baba se ele dorme, ele respondeu que somente dorme se ele quiser. Quando lhe foi perguntado por que ele realiza milagres, ele respondeu que faz isso para chamar a atenção das pessoas e orientá-las para Deus. Um milagre extraordinário que está acontecendo na Índia e no mundo é a criação da Cinza Vibuthi. Essa cinza sagrada é algo que Sai Baba cria com um giro da mão e que é usada com objetivos de cura e de bênção. Há algumas pessoas em todo o planeta cujas jarras e urnas estão sempre cheias de Vibuthi, e também nas fotografias de Sai Baba em todo o mundo [...] Sai Baba diz que lê todas as cartas de pessoas que lhe escrevem. A única coisa que ele precisa fazer para saber instantaneamente o que a carta contém é tocá-la. Sai Baba diz também que ninguém sonha com ele sem que ele assim o deseje; portanto, se você sonhar com Sai Baba, é porque você já entrou em contato pessoal com ele.”  (Em: http://www.amaluz.net/milagres.htm)










“Há pessoas, mesmo hoje em dia, que têm a experiência genuína da visão divina e autorrealização. Mas elas não viajam pelo mundo aqui e ali arrebanhando discípulos. Elas permanecem muito discretamente longe da vista do público e praticam Sadhana. Se você encontrar uma delas e pedir-lhe que o guie, ela não estará interessada em você. Se a vida de um ‘guru’, que está aí fora no mundo for examinada de perto, constatar-se-á que ele tem desejos e problemas. Seu conhecimento provém dos livros e de outras pessoas, e ele não tem experiência completa e real do divino do qual fala. Tais pessoas estão atoladas no lamaçal do Samsara, do mesmo modo que você está. Como poderão eles puxá-lo para terreno firme? Hoje em dia, Deus é o único guru genuíno. Chame-o e Ele o guiará. Ele está em seu coração, sempre pronto para ajudá-lo, protegê-lo e guiá-lo.”   (Do Livro “Conversações com Sai Baba”, págs 123 e 125, autor: J.S. Hislop, ERREPAR S.A.,1996)






A AURA da DIVINDADE
(SATHYA SAI BABA)
                                                                                                                                                                                                  







Sathya Sai Baba – Nascido como Sathya Narayana Raju a 23\11\1926, em Puttaparthi, Estado indiano de Andhra Pradesh, revelou-se como um dos grandes Avatares desta Terra. Manifesta dons como onipresença, onisciência, curas, profecias e materializações tendo sido um exemplo vivo das experiências divinas. Profetizou que retornará para uma nova missão, renascendo em 2019, em Mandya, Estado indiano de Karnataka, quando será reconhecido como Prema Baba. Sua obra encontra-se disseminada por mais de 120 países, com centros de educação, hospitais e núcleos de práticas transcendentais. Entre suas instruções temos: desenvolvimento das virtudes, meditação, unidade religiosa, vegetarianismo, libertação da mente animal, oração, divinização humana e serviço universal.”   (Do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, págs 213 e 214, Horácio Netho, Ed. Alfabeto, 2011)








AVATAR INDIANO
(SATHYA SAI BABA)






“Tentamos descobrir Deus buscando-o por todo o Univer­so, mas deixamos de investigar sua existência em nosso interior, como a própria essência e princípio básico de nos­so ser. Com a descoberta de nós mesmos, de nosso ser, toda a lamentação cessa e atingimos a felicidade suprema. Este é o verdadeiro autoconhecimento. Eu sou Deus. Você é Deus também. Deus não está em religiões, mas em sua mente e em seu coração. Conhecer Deus é o empreendimento mais importante da vida. O ho­mem deve conhecer Deus, sentir Deus, falar com Deus. É louvável você comportar-se como um ser humano e ainda mais meritório comportar-se como Deus. Mas comportar-se como um demônio ou uma besta é, na verdade, desprezí­vel. O ser humano há muito tempo nasceu como mineral, em seguida tornou-se uma ár­vore; no processo de evolução, foi promovido a um animal e finalmente chegou ao status de um ser humano. É uma grande vergonha se um indivíduo se transforma em uma besta ou um ogro bestial. A pessoa merece elogio somente quando se eleva a condição divina. Isso é a realização de seu destino.”   (Sathya Sai Baba)




VISITA a SAI BABA
(DIVALDO FRANCO)



"Poderíamos perguntar por que Sai Baba não acaba com a fome, as doenças e a violência no planeta, já que tem todo esse poder de materializar coisas e curar pessoas, sem limite de tempo e espaço. O Avatar costuma responder a isso dizendo que se tornasse a Terra um paraíso com apenas um gesto, em menos de um século tudo voltaria ao estado atual. Por isso, o trabalho interno de cada ser humano é imprescindível para auxiliar esse processo, do qual também fazem parte os seres de outros planetas [...] Se Sai Baba é realmente quem diz ser, com certeza está consciente de todo esse processo, incluindo as atividades de seres extraterrestres em nosso planeta. A Ufologia, como instrumento de compreensão de nosso papel neste contexto, deve continuar sua busca por respostas, procurando uma abertura de consciência cada vez maior, o que permitirá aos homens o entendimento das mensagens cósmicas."   (Em: http://www.ufo.com.br/artigos/indiano-adorado-por-milhoes-alega-ter-contato-com-ets/)







Link p\ Sathya Sai Baba:

Site Oficial







PADRE PIO










"Padre Pio é um daqueles homens extraordinários que Deus envia de vez em quando à terra para converter os homens."  (Papa Bento XVI)








“Padre Pio nasceu em 25 de maio de 1887 na localidade de Pietrelcina, muito próxima à cidade de Benevento. Foi um dos sete filhos de Grazio Forgione e Maria Giuseppa De Nunzio. Ainda criança era muito assíduo com as coisas de Deus, tendo uma inigualável admiração por Nossa Senhora e o seu Filho Jesus, que os via constantemente devido a tanta familiaridade. Ainda pequeno havia se tornado amigo do seu anjo da Guarda, a quem recorria muitas vezes para auxiliá-lo no seu trajeto nos caminhos do Evangelho. Conta a história que ele recomendava muitas vezes as pessoas a recorrerem ao seu anjo da guarda, estreitando assim a intimidade dos fiés para com aquele que viria a ser o primeiro sacerdote da História da igreja a receber os estigmas do Cristo do Calvário. Com quinze anos de idade entrou no noviciado em Morcone adotando o nome de "Frei Pio"; concluído o ano de noviciado, formulou os votos simples em 1904; em 1907, formulou a profissão dos votos solenes. Frequentou estudos clássicos e filosofia. Foi ordenado padre em 10 de agosto de 1910 no Duomo de Benevento. Aos casos mais urgentes e complicados o frade de Pitrelcina dizia: ‘Estes só Nossa Senhora’, tamanha era a sua confiança na sua Mãezinha do céu a quem ele tanto amava e queria obter suas virtudes. Percebendo que a sua missão era de acolher em si o sofrimento do povo, recebe como confirmação do Cristo os sinais da Paixão em seu próprio corpo. Estava aí marcado em si mesmo a sua missão. Deus o queria para aliviar o sofrimento do seu povo. Entregando-se inteiramente ao Ministério da Confissão, buscava por este sacramento aliviar os sofrimentos atrozes do coração de seus fiés e libertá-los das garras do Demônio que era conhecido por ele como ‘barba azul’. Torturado, tentado e testado muitas vezes por este, sabia muito da sua astúcia no seu afã em desviar os filhos de Deus do caminho da fé. A pedido do Santo Padre, devido aos horrores provocados pela Segunda Guerra Mundial, cria os grupos de Oração, verdadeiras células catalizadoras do amor e da paz de Deus para serem dispenseiros de tais virtudes no mundo que sofria e angustiava-se no vale tenebroso de lágrimas e sofrimentos. Entre os sinais milagrosos que lhe são atribuídos encontram-se as estigmas, que duraram cinqüenta anos (20 de setembro de 1918 a 23 de setembro de 1968), e o dom da bilocação. Entre os muitos milagres, está a cura do pequeno Matteo Pio Colella de San Giovanni Rotondo sobre o qual se assentou todo processo canônico que fizeram do frade São Pio. Entre os tantos relatos de bilocação, há o contado por Dom Luigi Orione também proclamado recentemente santo. Santo Orione contou que em 1925, sendo um dos tantos devotos de Santa Teresa de Lisieux, encontrava-se na praça de São Pedro para as celebrações em honra da mística francesa quando apareceu inesperadamente em sua frente Padre Pio. Todavia, segundo o relato de muitas pessoas, Pio nunca saiu do convento onde viveu de 1918 até sua morte.” (Em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Padre_Pio









“É preciso calar e ter silêncio ao seu redor para poder ouvir a voz de Deus.” (Padre Pio)









"Veja que fama ele alcançou! Que clientela mundial reuniu em torno de si! Mas por quê? Por que era um filósofo? Por que era um sábio? Por que dispunha de meios? Não, mas porque rezava a Missa humildemente, confessava de manhã à noite; era representante estampado dos estigmas de Jesus. Era um homem de oração.” (Papa Paulo VI) 













“Aqueles que estão em dia com as atualizações da Hierarquia Cósmica que orienta a evolução transcendental para a Terra, através da Fraternidade Branca, sabem que, a partir de 02\01\10, Kuthullim (São Francisco) e Murielh (Padre Pio) assumiram as duas funções mais elevadas da Hierarquia terrena. Kuthullim (Pitágoras, Rei Mago Baltasar, Amenophis, Índio Seta Branca, Tibetano Kuthumi, São Francisco, etc.) é o atual ‘Senhor do Mundo’, enquanto que Murielh (o capuchinho franciscano Padre Pio) encontra-se como o atual ‘Instrutor do Mundo’. Não por acaso, estes dois seres receberam marcas fortes em seus corpos físicos (Estigmas) para demonstrar ao mundo os seus vínculos com os propósitos do Cristo, impulsionados por Jesus. Ambos foram perseguidos pela própria Igreja Católica Cristã, sendo que Padre Pio conduziu por 50 anos seus estigmas, mesmo sendo considerado uma farsa. Padre Pio manifestou diversos dons supranaturais em sua vida missionária como onisciência, onipresença, profecias, etc. Nos últimos anos, a devoção por Padre Pio santificado pela Igreja Católica cresceu a ponto de ser, atualmente, o santo mais devotado por esta instituição religiosa.”  (Horácio Netho

















“Padre Pio foi uma mônada que, entre outras coisas, se ofereceu para assumir o carma planetário. Então, como ela se ofertou para assumir o carma planetário, ela teve durante cinquenta anos as chagas no corpo que sangravam o tempo todo. Ela tinha as chagas onde Cristo recebeu as lanças. Então, Padre Pio sangrou cinquenta anos, não foram cinco dias como nós sangramos, hein? E ele sabia que quando aquelas chagas fechassem, que a vida dele nesta Terra teria acabado. Então, num dia 20, as chagas cicatrizaram. Os médicos que não compreendiam porque as chagas não fechavam com todos os tratamentos que faziam, Padre Pio sabia que não iam fechar mesmo, mas os médicos se admiravam como é que aquilo não fechava e se admiraram mais ainda quando fechou de repente. Aí, ele começou a se despedir. Dia 20, as chagas fecharam e no dia 23 ele desencarnou, sem chagas. Isto é uma mônada que tinha a decisão de servir, que tinha a decisão de assumir em si uma parte do carma planetário [...] Ele transmutava os males do mundo e da humanidade, por isso o corpo sofria, justamente porque ele era um santo [...] Existem mais de 250 biografias diferentes de Padre Pio. Para ser biografado mais de 250 vezes por autores diferentes precisa ter uma vida interessante [...] Nós estamos vivendo um período em que o novo ‘Instrutor do Mundo’, Murielh (Padre Pio) , deve dar início a uma nova fase em Miz Tli Tlan. O que nós chamamos de ‘Instrutor do Mundo’ com tudo aquilo que ele traz é uma canalização de tudo aquilo que é mais essencial na Hierarquia planetária para ser irradiado e distribuído para a humanidade.”   (Trigueirinho








“A oração faz desaparecer a distância entre o homem e Deus. 
Arme-se com a ‘arma’ da oração, e terá mais força no combate diário." 
(Padre Pio)







"Padre Pio foi um generoso dispensador da misericórdia divina, estando sempre disponível para todos através do acolhimento, da direção espiritual, e sobretudo da administração do sacramento da Penitência. O ministério do confessionário, que constitui uma das numerosas características que distinguem o seu apostolado, atraía numerosas multidões de fiéis ao Convento de San Giovanni Rotondo. Mesmo quando aquele singular confessor tratava os peregrinos com severidade aparente, eles, tomando consciência da gravidade do pecado e arrependendo-se sinceramente, voltavam quase sempre atrás para o abraço pacificador do perdão sacramental.”  (Papa João Paulo II) 






VÍDEOS e PALESTRAS de PADRE PIO:
Padre Pio – Filme Biográfico
Murielh – A Nova Fase da Instrução
O Senhor do Mundo e o Instrutor do Mundo  



2 comentários:

  1. Quero agradecer pela 'coletânea' de referências: uma síntese precisa [e necessária]

    ResponderExcluir
  2. Gratidão! Bênçãos de Deus para vós e toda Humanidade!

    ResponderExcluir