_______________________________________________________

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

FAMÍLIAS








“Os nomes, as formas e as cores das pessoas podem ser diferentes, mas a humanidade inteira é uma família. Deus é um, e todos os seres humanos pertencem à família Divina. A causa do sofrimento do homem é que ele restringiu seu amor a si mesmo e a sua família. Ele deveria desenvolver um sentimento amplo de que todos são seus irmãos e irmãs. A verdadeira vida espiritual significa considerar toda a humanidade como uma única família, percebendo a unidade na diversidade e levando uma vida de altruísmo e amor [...] Viva na contemplação constante de seu parentesco com os outros e com o Universo. Faça o bem aos outros, trate toda a natureza amavelmente, fale palavras suaves e doces, seja como uma criança destituída de inveja, ódio e ganância; quando seu amor cruzar os limites de sua família, ou comunidade, e se expandir além deles, você terá dado o primeiro passo para cruzar o limiar do mundo ilusório.    (Sathya Sai Baba)








“Sob o ponto de vista dos ensinamentos espirituais, estamos aqui para vivermos todas as experiências propostas para nós, reconhecendo e desfrutando os valores que estão envolvidos para, posteriormente, transcendê-los e expandirmos nossas consciências para que novas experiências superiores possam ser acolhidas. As experiências limitadas das famílias terrenas devem ser observadas inteligentemente e desfrutadas com sabedoria, como um estágio preparatório para reconhecermos que há outras ‘famílias’ maiores a qual todos nós também somos integrantes. Aos poucos, nos damos conta que fazemos parte da família do Reino Humano da Terra e que dependemos totalmente das relações que se dão neste nível. Mais adiante, num nível bem mais elevado de consciência, nos damos conta que podemos ter também uma família cósmica. Esta aceitação e compreensão só se dá para poucos que assumem verdadeiramente as suas aspirações e disciplinas espirituais. Esta revelação e experiência por via direta, necessita de preparo e de uma reflexão inteligente e profunda sobre as experiências vivenciadas até então. Parte das transformações intensas que estão sendo reconhecidas nas estruturas familiares atuais, se deve a inserção do novo código genético (GNA) na consciência de alguns seres humanos que estão atualizando a humanidade da Terra, principalmente através de corpos infantis de crianças. Este código genético manifesta leis superiores da vida transcendendo a hereditariedade familiar que ainda predomina em nossas experiências. Espontaneamente, as consciências dos seres que conduzem o novo código genético os fazem ter uma identificação ampliada com estruturas familiares mais amplas que a limitada visão da sua família terrena. Desta forma, há uma tendência inerente destes seres a se associarem e valorizarem mais às suas percepções das ‘Família Reino Humano e Família Cósmica Espiritual’. Especificamente e atualmente, alguns seres humanos adultos podem receber contatos conscientes da Hierarquia Espiritual da Terra ou do Cosmos para, em caráter de missão, experimentarem uma relação conjugal e estruturarem uma família terrena para acolher uma criança com o novo código genético e, desta forma, colaborar com o mundo dos céus. Mesmo um ser já autorrealizado pode receber uma mensagem do seu anjo lhe encaminhando uma missão para assumir uma família terrena para estas missões, como já aconteceu por diversas vezes em relatos de nascimentos especiais, por exemplo, quando das encarnações dos mestres Jesus Cristo e Buda Gautama.”  (Do livro “COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais”, págs 157 e 158, Horácio Netho, Ed.Alfabeto, 2012)











“A Família não nasce pronta; constrói-se aos poucos e é o melhor laboratório do amor. Em casa, entre pais e filhos, pode-se aprender a amar, ter respeito, fé solidariedade companheirismo e outros sentimentos.”  (Luiz Fernando) 








ENTRE PAIS e FILHOS
(CRIANÇAS ÍNDIGO e CRISTAL)






“O Mestre não era contra o casamento. Ele até o via como um bem espiritual, já que duas pessoas viviam juntas em um princípio correto. As pessoas que abandonam seu chamado espiritual para se casar, contudo, estão deixando uma vida de altos ideais de dedicação para perseguir seus próprios desejos pessoais. Fazer isso é mover-se na direção errada. Não é o fato de se casar ou viver uma vida normal ‘no mundo que enfraquece uma pessoa. O problema é que quando uma pessoa, indiferente em sua devoção, escolhe o mundo, ela faz uma opção que irá enfraquecê-la. Como o Mes­tre afirmou: - Não é onde seu corpo está que determina o quanto você é espiritual – é onde você está em sua consciência.  (Do livro “Diálogos com Yogananda”, pág 253, Autor: Swami Kriyananda,Ed. Nova Era, 2007)










“Isto que a gente chama de família é um grupo e, esse grupo em geral, é formado antes dos seres encarnarem. Quando existe uma família verdadeira, esta família é reunida antes de todos eles encarnarem. Quando eles encarnam, já encarnam para ser um grupo, isto já está determinado. O que acontece é que, em certos casos, as almas mais evoluídas escolhem esta família, escolhem onde encarnar. Mas não escolhem porque ali vão se sentir melhor, escolhem porque têm um carma positivo com aqueles seres, ou escolhem porque vão ter naquele grupo certas facilidades para desenvolver um serviço. Quem escolhe dessa forma é quem vem servir. Então, se uma alma vem servir e tem consciência do que vai fazer, e se ela não tem compromissos cármicos com outras almas, ela pode escolher o lugar onde vai servir, pode escolher a família... mas não é para todos isto, não. Isto são casos especiais. Em geral, quem organiza as famílias é a Lei do Carma, que reúne essas pessoas que devem formar uma família. Porque como família eles vão resolver certos assuntos cármicos.” (Trigueirinho











“A melhor coisa que um marido ou esposa pode desejar ao cônjuge é a espiritualidade, pois o desenvolvimento da alma faz aflorar as qualidades divinas da compreensão, paciência, consideração pelo outro e amor [...] Sexo em demasia, familiaridade excessiva, falta de cortesia, desconfiança, palavras ou atos insultuosos, discussões na frente de crianças ou de visitas, extravagância e o descarregar das dificuldades ou da ira no companheiro devem ser evitados para que o casamento seja ideal [...] O caminho mais sábio é lembrar-se sempre: -Não sou homem nem mulher, sou espírito.”    (Yogananda)








“Toda relação entre os seres hu­manos possui uma intenção superior, que resguarda um mistério in­consciente e um propósito além do perceptível. Não há coincidência na vida humana, sob o ponto de vista da evolução cósmica. O que há é uma sincronicidade regida por leis superiores, que prepara e posiciona cada aspecto evolutivo dentro do momentum de cada ser. Seguindo este conceito, toda relação romântica ou formação de um núcleo fa­miliar é resultante de uma necessidade de aprendizado, crescimento e aprimoramento dos valores intrínsecos aos relacionamentos. Assim, um envolvimento romântico conjugal não acontece por acaso, mas sur­ge para cumprir a execução superior de leis que se destinam à evolução não só da raça humana, mas da vida planetária e cósmica como um todo, descendo até os níveis individuais de cada ser [...] Os ensinamentos superiores nos dizem que a associação conju­gal ideal e mais elevada entre dois seres humanos terrenos só pode ser alcançada por seres separados e inteiros em si, que consigam manter a sua unicidade e integralidade, mesmo estando compartilhando um relacionamento conjugal nas vias externas deste planeta. Esta unicida­de ocorre através de uma elevação da consciência, onde as polaridades ying (feminina) e yang (masculina) são sintetizadas e unificadas em uma energia andrógina superior de elevada frequência vibratória. Este even­to iniciático ocorre independentemente da expressão sexual externa de um ser humano, seja feminina ou masculina.” (Do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, págs 126 e 133, HorácioNetho, Ed. Alfabeto, 2011)











“O homem vem a Terra para uma permanência muito curta, para um fim que ele mesmo ignora, embora, às vezes, julgue sabê-lo [....] 
O ser humano vivencia a si mesmo e seus pensamentos como algo em separado do resto do universo numa espécie de ilusão de ótica e de sua consciência, e essa ilusão é uma espécie de prisão que nos restringe aos nossos desejos pessoais, conceitos e ao afeto por pessoas próximas. Nossa principal tarefa é a de nos livrarmos desta prisão.”   (Einstein)








“Uma vez perguntei ao Mestre, após pensar muito sobre sua vida como William: - Senhor, seria possível a um mestre liberto não viver em estado de samadhi (o maior estado de êxtase)?
Ele respondeu: - A pessoa nunca perde a consciência de que está internamente livre. Na realidade, quando penso em Avatares como Lahiri Mahasaya percebo que para re­alizar seus pápeis terrenos – no caso de Lahiri Mahasaya era casar-se, trabalhar como outros chefes de família e constituir família e, ao mesmo tempo, ser interiormente um iogue sublime – eles tinham de aceitar um certo véu de ilusão. Somente quando Lahiri Mahasaya conheceu Babaji, no Himalaia, ele compreendeu inteiramente sua verdadeira grandeza espiritual. Contudo, um mestre liberto, embora designado a caminhar juntamente com pessoas co­muns e ser uma delas, nunca perde sua consciência de que nada neste mundo pode tocá-lo interiormente.
(Do livro “Diálogos com Yogananda”, págs 159 e 160, Autor: Swami Kriyananda, Ed. Nova Era, 2007)










“Observa o teu culto a família e cumpre teus deveres para com teu pai, tua mãe e todos os teus parentes. Educa as crianças e não precisarás castigar os homens.”  (Pitágoras)





"A Família é, em primeiro lugar, composta de seus Parentes de sangue (aquilo a que as pessoas chamam genética). A Família é também os Seres Espirituais que estão em ressonância com você [...] O Coração sabe quem é a Família. A cabeça não tem a menor idéia. Portanto, pelo Coração, sinta seus parentes. Sinta aqueles cujos Espíritos são do mesmo caminho que você. Esse é o meio mais seguro de compreender a Verdadeira Família [...] O coração de cada ser está ligado por cordões de prata a todos os outros seres. A família de seu nascimento está ligada a você por fortes cordões de Amor, assim como o clã de seu nascimento está ligado à sua 'origem estelar'. Essa é a maneira que os Conselhos da Luz escolheram para que o indivíduo compreenda o Universo: por meio da família, do clã e da comunidade de todos os parentes. Há muitos modos como o indivíduo pode estar ligado a outro. Todavia, nenhum deles, exceto a ligação do coração, é tão puro, tão sagrado, tão próximo de um projeto do Criador, pois esses cordões de amor que ligam tudo no Universo como uma família entram em ressonância com as Leis da Liberdade, a Expressão Individual e o Respeito."  (Do livro "LEIS ESTELARES, O Caminho da TerraEstrela", Págs 73 e 83, Autor: Xamã Estrela de Prata, Ed. Madras, 2006)






"Como família não somos somente pais e mães, nem somente filhos e irmãos uns dos outros. Somos peças de um jogo perfeito, abstrato e projetado simbolicamente pela natureza divina, onde a atenção refinada e contemplativa é fundamental para que uma lucidez sobre este jogo possa revelar os propósitos da sua interatividade e os diferentes níveis de amor que a família nos propõe em sua essência.”  (Horácio Netho)



Perguntas e Respostas
 Conversas c\ Trigueirinho 774
Conversas c\ Trigueirinho 813
(http://www.irdin.org.br/acervo/detalhes/12332)


Um comentário:

  1. OI Horácio, obrigado poe esta postagem. Veio bem a calhar! Preciso falar com vc com urgência! Onde posso encontrá-lo abraços!

    ResponderExcluir