_______________________________________________________

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

CELIBATO - Controle de Energias





“Os místicos orientais afirmam que a união dos modos masculino e feminino do indivíduo somente pode ser vi­venciada num plano superior de consciência, onde o reino do pensamento e da linguagem seja transcendido e todos os opostos apareçam como uma unidade dinâmica.”     (Fritjof Capra)









“A melhor coisa que um marido ou esposa pode desejar ao cônjuge é a espiritualidade, pois o desenvolvimento da alma faz aflorar as qualidades divinas da compreensão, paciência, consideração pelo outro e amor [...] Sexo em demasia, familiaridade excessiva, falta de cortesia, desconfiança, palavras ou atos insultuosos, discussões na frente de crianças ou de visitas, extravagância e o descarregar das dificuldades ou da ira no companheiro devem ser evitados para que o casamento seja ideal [...] O caminho mais sábio é lembrar-se sempre: -Não sou homem nem mulher, sou espírito.”    (Yogananda)









“Quando um casal realmente se ama e possui a consciência espiritual, sabe o momento da concepção de uma criança, pois ambos estão conectados pela energia da alma supe­rior e da linha energética que os une entre os seus Eu Superiores e a linha energética de suas Mônadas. Esse fato gera a condição natural de que os filhos desse casal estejam também, interligados pelo aspecto sincrônico das Mônadas dos pais e da linha energé­tica do 'EU SOU'. O que gera uma ligação direta com uma grande família espiritual de magnitude superior.” (Do livro “Filhos das Estrelas”págs. 14 e 15, Rodrigo Romo, Ed. Shantar, 2008)






“Se as secreções seminais das glândulas sexuais forem conservadas e os desejos sexuais forem mentalmente sublimados, o indivíduo se tornará senhor de si no falar e no agir. Experimentará um alegre sentimento de controle sobre seu lado animal, controle que os fracos não conhecem nem compreendem.”   (Paul Brunton)






“O celibato não é só uma prática puramente sexual, quando de­senvolvida para fins evolutivos. Envolve a consciência do autocontrole e do uso adequado dos corpos de energia. Atualmente, há um excesso de informações que transitam pela mente coletiva humana, fortalecen­do as consciências corporais inferiores sem arremetê-las aos planos su­tis e simbólicos. Jogos de sensualidade gratuita estão sendo desencade­ados no seio desta civilização, atrasando ou estagnando os passos que muitos seres deveriam dar em seus caminhos. Desta forma, o celibato entra como uma prática defensiva quanto aos ataques ignorantes das manifestações grosseiras que intentam retardar a elevação da Luz que libertará esta humanidade.”  (Do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”,pág 248, Horácio Netho, Ed. Alfabeto, 2011)








"As forças instintivas e sexuais, quando não compreendidas e coordenadas, podem paralisar o ser humano, impedindo-o de realizar ações claras em prol do cumprimento da sua meta espiritual. A condescendência com tais forças não apenas o ilude, mas também enfraquece e turva-lhe a consciência. Vários dos instrutores que trouxeram à superfície da Terra impulsos supra-humanos revelaram que na base do poderio do caos está o uso incorreto das forças sexuais. Uma das Iniciações pelas quais os discípulos passavam nos Centros de Mistério da Grécia Antiga mostrava-lhe a natureza da alma e sua queda por ceder ao fascínio do sexo. Os efeitos dessa queda não foram ainda transcendidos porque os seres humanos continuam enfocando mais a dualidade que a unidade; enquanto buscam prazer nas sensações, colocam um véu sobre o que os poderia conduzir a estados elevados e ao conhecimento de aspectos superiores das forças que permitem a existência dos mundos materiais. Quanto ao relacionamento físico-sexual entre indivíduos de mesmo sexo, prática que teve origem em tempos pretéritos, na Raça Lemuriana, é o oposto ao mecanismo pelo qual a eletricidade universal se manifesta.”  (Do livro “Glossário Esotérico”, Trigueirinho,  Ed.Pensamento, 1994, págs 134 e 135 )







“Nunca amamos ninguém. Amamos, tão somente, a idéia que fazemos de alguém. É a um conceito nosso - em suma, é a nós mesmos - que amamos. Isso é verdade em toda a escala do amor. No amor sexual buscamos um prazer nosso dado por intermédio de um corpo estranho. No amor diferente do sexual, buscamos um prazer nosso dado por intermédio de uma idéia nossa.”  






“Uma das ilusões que um buscador espiritual tem que transcender diz respeito à sua autoimagem mental identificada com a sua manifestação terrena polar externa, seja em forma de mulher ou de homem. Enquanto mantivermos como real a nossa natureza formal inferior de "Homem ou Mulher", estaremos confirmando para a nossa própria consciência a nossa dualidade polarizada. Neste nível de consciência, a sexualidade ainda tem um valor relativo de poder sobre a experiência dos nossos corpos externos para a Terra. Porém, os nossos outros corpos sutis e cósmicos ficam inibidos para se tornarem conscientes. Somente quando já nos consideramos realizados e "bastados" com as nossas experiências relacionadas à sexualidade terrena é que podemos, então, oferecer as nossas energias sexuais para uma ascensão de consciência que nos eleva para outras realidades. Quando alcançamos esta maturidade, tendemos a nos sentir atraídos por práticas incomuns sugeridas por Grandes Mestres como Jesus, Gautama, Krishna, Trigueirinho, Sathya Sai Baba, etc... Os Grandes Mestres são aqueles que sabem do valor de práticas como o celibato, trazendo em suas consciências os princípios que sustentam a androginia que o Reino Humano deve manifestar no futuro de sua evolução sobre a Terra. Com a revelação da presença de um novo código genético (GNA) sendo experimentado dentro do Reino Humano, num processo de atualização evolutiva, há seres humanos autorrealizados encarnados na Terra que possuem missões, em caráter de serviço cósmico, de usufruírem das suas sexualidades para gerarem as condições adequadas para os nascimentos de novas crianças (Índigos, Cristais, Douradas, Esmeraldas, etc...). Estas missões específicas são encaminhadas aos seres humanos que já possuem contatos conscientes com a Hierarquia Planetária ou Cósmica. Tais seres optaram voluntariamente, por permanecerem nos planos materiais da órbita da Terra, com o propósito de auxiliar nas conexões que devem se fortalecer entre as dimensões que estão se dispondo ao planeta atualmente. Para isto, os seres humanos mais capacitados são os "autorrealizados", pois já possuem consciências experimentadas e aperfeiçoadas pelo atual código genético DNA, tendo também já transcendidas as suas necessidades sexuais inferiores. Desta forma, são vetores capacitados para o uso adequado de suas próprias energias sexuais, caso se faça necessário usufruí-la como canais para manifestações de energias superiores.”   (Do livro “COMANDO ESTRELINHA,Temas Transcendentais”, pág 58, Horácio Netho, Ed. Alfabeto, 2012)













O modo de lidar com a energia sexual depende do grau evolutivo de cada um. Não há duas pessoas iguais, portanto não há fórmulas prontas para isso. Paul Brunton cita basicamente quatro patamares, levando em conta que entre eles há toda uma gama de posicionamentos:


Homem Comum
Aspirante Inicial
Aspirante Avançado
Indivíduo Realizado
Não está particularmente interessado em mais que uma boa vida. Permanece nas aspirações convencionais. Não procura orientação no campo do sexo, a não ser para ter mais prazer.
Usa uma disciplina sexual moderada. Tem ritmo em suas práticas sexuais. Compreende a natureza da força sexual. Impõe-se limites nesse campo. Quanto ao uso da energia, aceita ou não orientação de alguém mais experiente.
Busca atingir o mais alto padrão possível de autocontrole. É capaz de abstinência total quando não ligado a alguém. Procria se necessário, e o faz de modo qualitativo e não quantitativo. Neste caso, cabe eventualmente orientação por parte de alguém mais experiente.
Tem total controle da energia sexual. Não tem mais desejos nem paixões. Não necessita de regras de disciplina. Procria quando necessário a título de serviço: prover corpos físicos para almas evoluídas. Nenhum conselho e nenhuma orientação externa é cabível ao indivíduo deste nível.






“A lealdade e o amor entre marido e mulher gradualmente libertam a mente das limitações do plano sexual, elevando-a ao plano do amor divino. Quando o amor divino é maior do que o sexo, este amor supremo sublima o apetite sexual, transformando-o num belíssimo relacionamento humano. A gratificação sexual por si só não satisfaz o coração; sem amor verdadeiro, o coração continua vazio. Mas se homem e mulher sinceramente compartilham, no estado conjugal, o amor que têm na alma, encontrarão uma venturosa plenitude.” (Paramahansa Yogananda, The Divine Romance)






“Todos nós somos masculinos e femininos, não somos só um gênero, somos os dois gêneros. Então, quando se fala de seres femininos, estamos falando de nós todos em potencial como almas. E quando se fala de seres masculinos, também estamos falando de nós todos, porque a alma não é masculina nem feminina. E a alma evoluída começa a ser andrógina, que é uma perfeita união entre o masculino e o feminino. E as mônadas também são perfeitas andróginas, então, existe vários graus de androginia. E tudo isso está no nosso caminho [...] Neutralidade é o fruto do equilíbrio do nosso aspecto masculino com o nosso aspecto feminino. Estes dois aspectos não foram feitos para estarem em conflito e eles não foram feitos também para somente um ficar proeminente e o outro ficar recolhido, como normalmente acontece nas nossas encarnações. Mas esses dois aspectos masculino e feminino teriam que, dentro de nós, encontrar a forma de conviverem e de irem se harmonizando. E parece que o homem perfeito ou a mulher perfeita só chegarão a serem perfeitos, quando o aspecto masculino e feminino estiver perfeitamente equilibrados dentro deles.”   (Trigueirinho




Conversas Especiais  
Celibato é Castidade?
 Poder, Dinheiro, Sexo e Silêncio  
(http://www.irdin.org.br/acervo/detalhes/13266)




Nenhum comentário:

Postar um comentário