_______________________________________________________

quinta-feira, 17 de março de 2016

A MAESTRIA da DUALIDADE



















“Com muita frequência, as experiências negativas são as mais enganadoras, porque costumamos considerá-las como um mau sinal. Mas em nossa prática, podem ser, na verdade, uma bênção disfarçada. Tente não reagir a elas com aversão, como faria normalmente, mas reconheça-as pelo que representam de fato: apenas experiências, ilusórias e semelhantes a sonhos. A aceitação da verdadeira natureza da experiência o liberta do dano, ou do perigo dela própria e, como resultado, mesmo a mais negativa poderá se tornar uma fonte de grande bênção e realização.”   (Sogyal Rinpoche)











“O mundo no qual nós penetramos pelo nascimento é brutal, cruel e, ao mesmo tempo, de uma beleza divina.”   (Gustav Jung)




video
A Experiência da Criação Humana com o Mal
 (TRIGUEIRINHO)







“Dentro da estrutura que constitui o corpo holístico do 'Ser Humano', há diferentes níveis de estratos que captam e decodificam esta dualidade terrestre de formas correspondentes. As nossas realidades mais inferiores são captadas pelas nossas mentes concretas, que ainda não têm maturidade para questionar o valor da dualidade e é prisioneira desta experiência que tende a gerar sofrimentos como consequência inerente desta realidade. É a vida no Ego. Neste momento de transição cósmica para a Terra, a maior parte dos integrantes do Reino Humano deste planeta que estão se manifestando nos planos materiais estão limitados a esta realidade inferior dual e de sofrimento. Acima da mente concreta, as nossas mentes abstratas nos conectam com as realidades de nossas almas e possuem uma maturidade para observar que, por trás das experiências polares da dualidade terrestre, há um propósito inteligente que nos oportuniza os aprendizados evolutivos que são propostos por esta escola de Amor Sabedoria. É através do despertar desta nossa mente abstrata que conseguimos ir nos liberando das experiências puramente materiais e perceber, também, que cada evento manifestado nesta Terra pode ser visto sob qualquer polaridade. Ou seja, começamos a ver o ‘Bem’ por trás do ‘Mal’, da mesma forma como começamos a ver o ‘Mal’ por trás do ‘Bem’, em um trânsito que a nossa própria consciência realiza observando o ‘teatro da vida’ que se expõe diante o seu julgo. E esta percepção, ainda dual mas investigativa, vai nos preparando para sintetizarmos esta relação polar e depois fundi-la numa só experiência que parte da oitava dimensão cósmica. É também esta nossa mente abstrata que nos faz vivenciar os estados da ‘santidade’ e da ‘iluminação’, como produtos de um comportamento elevado diante a dualidade terrestre. A mente abstrata é altruísta por natureza e, por esta razão, ajuda em muito a disseminar o bem por todo o planeta. Para a sua experiência, o bem é a essência mais importante da vida e o trata como um fim nobre que deve ser alcançado incondicionalmente e de forma inclusiva. Porém, a sua imaturidade cósmica e os seus desejos sutis positivos ainda não lhes permitem compreender totalmente os propósitos da dualidade. Para esta mente, o mal ainda deve ser combatido de frente, mesmo sem uma visão atemporal integral que justifique esta necessidade. A mente mais elevada que o Ser Humano da Terra experimenta, como agente receptor e decodificador de suas experiências, é a mente simbólica cósmica. Neste estágio de compreensão da vida, este ser que conseguiu despertar para esta experiência e continua dentro de um corpo humano, não é mais considerado sequer um integrante do ‘Reino Humano’, sob a ótica dos ensinamentos, pois este ser passou a ser um integrante do ‘Reino Espiritual’. Neste caso, este ser tem consciência das realidades espirituais que se manifestam em sua vida, contata consciências imateriais sem formas, alimenta-se principalmente da Luz da Fonte que se apresenta voluntariamente para ele e é um servidor cósmico útil para o cumprimento dos propósitos mais elevados de Deus para os seus Universos.”  (Do livro “COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais”, págs 112 e 113, Horácio Netho, Ed.Alfabeto, 2012)

                                                                                                                                 









“A arte de viver consiste em tirar o maior bem do maior mal.”   (Machado de Assis)




“Só temos consciência do belo quando conhecemos o feio. Só temos consciência do bom quando conhecemos o mau. Porquanto o ser e o existir se engendram mutuamente. O fácil e o difícil se completam. O grande e o pequeno são complementares. O alto e o baixo formam um todo. O som e o silêncio formam a harmonia. O passado e o futuro geram o tempo.”  (Poema 2 do “Tao Te Ching”, autor: Lao Tsé)










“Todo homem é na verdade dois homens: um está acordado nas trevas; o outro está dormindo na claridade.”    (Khalil Gibran)








“Para tudo há um tempo determinado, sim, há um tempo para todo assunto debaixo dos céus: tempo para nascer e tempo para morrer; tempo para plantar e tempo para desarraigar o que se plantou; tempo para matar e tempo para curar; tempo para derrocar e tempo para construir; tempo para lamentar e tempo para saltitar; tempo para lançar fora pedras e tempo para reunir pedras; tempo para abraçar e tempo para manter-se longe dos abraços; tempo para procurar e tempo para dar por perdido; tempo para guardar e tempo para lançar fora; tempo para rasgar e tempo para costurar; tempo para ficar quieto e tempo para falar; tempo para amar e tempo para odiar; tempo para a guerra e tempo para a paz.”  (Eclesiastes, 3: 1,8)               

                                                                                                                                                                                                                                                              









“Aquele que pretende a igualdade entre homens desiguais pretende uma coisa absurda.”   (Baruch Spinoza)








“Sabe-se, esotericamente, que Jesus sintetizava grande parte da mensagem que conduzia a ‘Era de Peixes’. Portanto, certas mensagens que vinham de sua manifestação, traziam a energia do Cristo apontando as necessidades da ‘Era de Peixes’, ciclo que se encerra por estes tempos. Neste ínterim, assumindo a energia do espelho cósmico de ‘peixes’, o Cristo em Jesus profetizou a sua ação de fechamento de ciclos cármicos, inclusive para dentro dos núcleos familiares. Senão vejamos:

“Não penseis que vim estabelecer paz na Terra; vim esta­belecer não a paz, mas a espada. Pois vim causar divisão; o homem contra o seu pai e a filha contra a sua mãe, e a jovem esposa contra a sua sogra. Deveras, os inimigos do homem serão pessoas de sua própria família. Quem tiver maior afeição pelo pai ou pela mãe do que por mim, não é digno de mim; e quem tiver maior afeição pelo filho ou pela filha do que por mim, não é digno de mim.”   (Mt, 10: 34,37)


Aqueles que ainda não tiverem as chaves do reino superior, ape­nas enxergarão as mensagens, mas não poderão ver as verdades in­trínsecas dos simbolismos do mundo dos céus. Assim aconteceu com Jesus, quando a luz do seu Cristo veio posicionar cada elemento no seu devido lugar, seguindo as leis cósmicas que devem ser cumpridas para aqueles que buscam segui-lo.”






"Meu mestre me ensinou que absolutamente ninguém deveria indignar-se a respeito de nada, enquanto não estiver absolutamente seguro de que aquilo que acredita ser uma injustiça realmente é uma injustiça, e não uma bênção disfarçada." (Do livro “Contos de Ensinamento do Mestre Sufi Nasrudin”, pág 52, Edições Dervish)











"A bondade dos bons e a maldade dos maus fornecem razões para um Avatar do Senhor. Como resultado do advento do Senhor, os bons serão felizes e os maus vão sofrer. O Avatar, no entanto, não tem alegria ou tristeza, mesmo quando envolto no corpo que assumiu. O Avatar não é constituído de cinco elementos; é chinmaya não mrinmaya – espiritual e não material; nunca pode ser perturbado pelo egoísmo ou sentido de ‘meu’ e ‘teu’; é intocado pela ilusão que nasce da ignorância. Embora os homens possam confundir um Avatar com um mero humano, isso não afeta Sua natureza; um Avatar vem para uma tarefa e está sempre compelido a realizá-la [...] Deve-se meditar constantemente no princípio da realidade de Deus e na impermanência do mundo. Há que evitar-se a companhia de más pessoas e até a amizade demasiada com o bom. O apego dessa natureza o arrastará para longe do caminho de Deus. Abandone o apego ao momentâneo. Uma vez que você alcance essa atitude de não ser afetado, você terá paz imperturbável, autocontrole e pureza de mente [...] Hoje, as pessoas pensam que espiritualidade não tem relação com a vida mundana e vice-versa. Esse é um grande erro. Divindade verdadeira é uma combinação de espiritualidade e obrigações sociais.”   (Sathya Sai Baba)











“Um homem não pode fazer o certo numa área da vida, enquanto está ocupado em fazer o errado em outra. A vida é um todo indivisível.”  (Gandhi)






“Cuidado, a bondade desmedida pode enfraquecer a sua consciência espiritual.”  (Horácio Netho)








“O conflito não é entre o bem e o mal, 
mas entre o conhecimento e a ignorância.”







“O Deus que traz o sofrimento é o mesmo que cura [...] Alguns falam por simples excitação ou inquietude, outros por sabedoria. Alguns calam por inibição ou timidez, outros por sabedoria. O equilíbrio harmônico entre fala e silêncio é uma das bases que sustentam a sabedoria humana na Terra [...] Dois ensinamentos de um mesmo mestre podem parecer contraditórios e paradoxais. É que há uma relatividade para as diferentes realidades dos ensinamentos. Nem sempre sabemos qual o alcance que o mestre dá à dimensão do seu ensinamento momentâneo e a quem ele está verdadeiramente servindo [...] O sábio confirma a sua sabedoria afirmando, vez por outra, a sua enorme ignorância [...] Quem só quer ouvir palavras boas e agradáveis de um mestre espiritual deve se afastar dele. Como um espelho, ele deve refletir para cada ser a sua natureza, oferecendo a cada um o que a justiça divina envia-lhe como canal, além da dualidade [...] Você já percebeu a maldade que o bem desencadeia? Já detectou o benefício da maldade? Se não, és um ignorante limitado que só conhece um lado da verdade. Só alcança a neutralidade aquele que investiga a dualidade, a sintetiza e a dissolve [...] A natureza de cada consciência humana deve ser respeitada e compreendida. O ego dual em sua extrema ignorância, a alma em sua servidão benevolente e o espírito em sua elevada sabedoria neutra. O propósito essencial de cada consciência deve ser cumprido, para a consignação dos aprendizados e das etapas evolutivas[...] O sábio se permite ser considerado contraditório e paradoxal, pois para si ele nunca o é. Usa expressões diferentes adequadas aos níveis dimensionais de comunicação. Necessita transitar e prestar serviços por onde permeia. Compreende e se adapta ao contexto necessário da sua ação. Faz uso de leis de diferentes níveis de alcance. É preciso sensibilidade para perceber a sustentação de onde parte a sua manifestação momentânea [...] Se você não consegue perceber os extremos, não compreende os paradoxos, não absorve a necessidade dos opostos, renega a dualidade... não encontrará o caminho do meio. Há um ponto de equilíbrio que lhe permite compreender a sustentação no qual todas estas polaridades se manifestam [...] A dualidade e a neutralidade são produtos de dois sub-produtos polares: o positivo e o negativo. Tais sub-produtos possuem os seus desdobramentos simbólicos: masculino e feminino, dia e noite, bem e mal, externo e interno, yang e ying, esquerdo e direito, transmissor e receptor, sol e lua, etc.  A unidade da Fonte se desdobra e planta uma semente em um mundo planetário de separatividade, a Terra [...] Jesus afirmava que trazia a espada da separação e colocaria filhos contra pais, e genros e noras contra sogros e sogras. Krishna instruía Arjuna a ir para o campo de batalha em sua guerra familiar. Yogananda estimulou o presidente americano Truman a defender a Coréia do Sul, na guerra contra a Coréia do Norte, mais recentemente. Seraphis Bey esteve encarnado na Terra como Leônidas, um rei espartano que ensinava sobre ética e organização na vida através da arte da guerra. Abraão, Moisés e Maomé resistiram frente às perseguições em batalhas campais que tiveram que enfrentar, defendendo os seus propósitos missionários. Gandhi posicionou-se com seus seguidores frente a força militar do Reino Unido. Grandes mestres compreendem a necessidade da teatralidade e dos aprendizados ocultos e simbólicos que estão por detrás dos eventos externos da vida. Agem em seus respectivos contextos sabiamente além da dualidade, usufruindo do denominado mal para praticar o bem. Sabem da eternidade do espírito e da neutralidade que sustenta as experiências cósmicas. Mesmo diante de tudo isto, estamos adentrando em um novo tempo planetário, com uma nova mentalidade que não requer mais confronto nem agressividade. Ainda restam alguns poucos anos de conflitos e confrontos decisivos para algumas almas humanas, para depois reinar a era de harmonia e paz.”   (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, HorácioNetho)







“Uma parte de mim é permanente, 
outra parte se sabe de repente.”
(“Traduzir-se”, música de Fagner)










“Só os estreitos não se contradizem.” 






"Se pegarmos a mesma cena e separarmos três pessoas que assistiram essa cena em salas diferentes, cada uma dessas pessoas contará uma história diferente, porque é uma percepção única. Sendo assim, o positivo e o negativo também são percepções únicas de cada indivíduo. Não existe o positivo e o negativo. Tudo simplesmente É. Ser positivo não significa ser bonzinho, o último da fila, ou sempre dizer sim em razão do outro e em detrimento de si mesmo. Da mesma forma que ser negativo nem sempre é ser egoísta ao ponto de fazer suas próprias vontades. Algumas vezes fazer suas próprias vontades pode ser a melhor coisa que você estará fazendo por si mesmo e pelos outros e pelo mundo."  (Jaqueline Salles em: http://somostodosum.ig.com.br/clube/c.asp?id=38913)











“A vida é a arte do encontro,
embora haja tantos desencontros pela vida.”

(Vinícius de Moraes)





Aspectos da Dualidade: Indiferença e Neutralidade
 (TRIGUEIRINHO)





“Todos nós somos masculinos e femininos, não somos só um gênero, somos os dois gêneros. Então, quando se fala de seres femininos, estamos falando de nós todos em potencial como almas. E quando se fala de seres masculinos, também estamos falando de nós todos, porque a alma não é masculina nem feminina. E a alma evoluída começa a ser andrógina, que é uma perfeita união entre o masculino e o feminino. E as mônadas também são perfeitas andróginas, então, existe vários graus de androginia. E tudo isso está no nosso caminho [...] Neutralidade é o fruto do equilíbrio do nosso aspecto masculino com o nosso aspecto feminino. Estes dois aspectos não foram feitos para estarem em conflito e eles não foram feitos também para somente um ficar proeminente e o outro ficar recolhido, como normalmente acontece nas nossas encarnações. Mas esses dois aspectos masculino e feminino teriam que, dentro de nós, encontrar a forma de conviverem e de irem se harmonizando. E parece que o homem perfeito ou a mulher perfeita só chegarão a serem perfeitos, quando o aspecto masculino e feminino estiver perfeitamente equilibrados dentro deles.”  (Trigueirinho





“Os bons momentos, os caminhos fáceis, a felicidade e todas as coisas positivas que experimentamos são somente uma parte da realidade. Há também o negativo, os momentos ruins e as dificuldades. A realidade é que o sol não brilha o tempo todo. Brisas gentis podem se transformar em furacões. Excesso de chuva pode virar uma enchente, e excesso de sol pode causar a seca. A vida é a vida, ela é como é. Não oferece certezas, a não ser a de que ela vai continuar com ou sem você. O sol irá nascer e se pôr todo dia. Apesar das nuvens obscurecerem sua percepção e você não o vir subindo e descendo, ele o fará, não obstante... em sua viagem, você aprenderá sobre a realidade e o equilíbrio.”  (Wagner Frota – Xamã Jaguar Dourado – www.xamanismo.com )







Conversas c\ Trigueirinho  
Reequilíbrio de Uma Época   
Questões de Equilíbrio e a Raça Humana Atual   
(http://www.irdin.org.br/acervo/detalhes/8724)


Nenhum comentário:

Postar um comentário